Pasaje de la Cárcova 3526 ARG
(54 11) 4963-7941

Semblanza Sami Arap

memory-arp

Sami Arap nasceu em São Paulo, o filho de um imigrante sírio de Antioquia, que ganhava a vida como alfaiate.

Apesar de não ser rica, seu pai poderia pagar o estudo secundário Sami em uma escola reconhecida na cidade, e aos dezenove anos entrou na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Durante seus estudos médicos, ele se destacou não apenas academicamente, mas também nos esportes, fazendo parte da equipe de pólo aquático. Após a formatura, ele começou sua residência médica na Clínica Cirúrgica recentemente inaugurado hospital de ensino da Faculdade de Medicina. Depois de completar o período de residência cirúrgica, Sami inscrito na equipe da Clínica Cirúrgica, pouco depois viajou para Paris, onde fez um estágio na Clínica de Urologia do Hospital Necker, sob a direção do Professor Roger Couvelaire, de 1962 a 1963. Ali, o interesse inicial foi cirurgia vascular renal, transplante de rim e o tratamento de tumores da bexiga, mas também começou a seguir as actividades do grupo Urologia Pediátrica, conduzido pelo Dr. Jacob Cukier. Este foi um período revelador para ele, já que ele estava interessado na subespecialidade no desenvolvimento da urologia pediátrica. Após este período, em Paris, ele decidiu expandir ainda mais conhecimento neste campo e aproveitou a oportunidade para passar o tempo na clínica do Dr. Willi Gregoir em Bruxelas, onde participou relacionado com vesicoureteral estudos procedimentos de refluxo e anti-refluxo para bem como procedimentos genitais reconstrutivos.

Após seu retorno ao Hospital da Universidade de São Paulo em 1963, Sami pediu sua transferência para a sala de cirurgia para a Clínica de Urologia do Hospital Universitário. O chefe da Clínica de Urologia, Professor Campos Freire, foi convencido por Sami, bem como pelo Dr. Alfredo Cabral, outro cirurgião urologista se tornar experiente em procedimentos pediátricos adquiridas no estrangeiro, que urologia pediátrica seria um campo promissor para a expansão da então clínica urológica. Então Campos Freire estabeleceu a primeira unidade de urologia pediátrica no Brasil, que iniciou suas atividades sob a direção de Alfredo Cabral. Sendo mais jovem e mais ativo do que academicamente Cabral, Sami ajudou a dar a esta unidade uma reputação bem conhecida, espalhando conceitos emergentes de Urologia Pediátrica e urologistas pediatras, não só no Brasil, mas também na América do Sul. Em 1972, Cabral deixou a Clínica Urológica e Sami tornou-se o chefe da unidade. Seu interesse na época também se concentrava na extrofia da bexiga, um campo que era completamente virgem na época. Iniciou-se um trabalho pioneiro com estas crianças infelizes, propondo um tratamento de três passos inovador (conduta do cólon inicial sem refluxo, seguido de reconfiguração da bexiga e fechar o defeito abdominal com abas inguinais, e completou anastomose da bexiga para o sigmóide conduta associada no fechamento do estoma cutâneo), que teve grande impacto científico. A sua investigação também levou a uma tese de doutoramento ( “tratamento cirúrgico da técnica refluxo vesicoureteral primário Gregoir”) em 1971 e uma tese profissional ( “tratamento cirúrgico da incontinência urinária associada com epispadia por técnicas Leadbetter e Tanagho “) em 1976.

Neste momento, ela também conheceu um jovem anestesista no hospital universitário, se apaixonou e logo se casou com ela. Astrid tornou-se sua parceira de vida.
O desenvolvimento da Urologia Pediátrica gerado produção científica considerável nas áreas de exstrophy bexiga, epispadias, hipospádia, refluxo vesico-ureteral e hipertensão renovascular, e Sami começou a receber convites de muitos centros urológicos todo o mundo para apresentá-los. Ele também se tornou um membro de muitas sociedades urológicos e sua personalidade simpática e entusiasmo ajudou a consolidar o contato com muitos líderes em urologia pediátrica. Sua liderança científica foi reconhecida no Congresso da Confederação Americana de Urologia (CAU), realizada em Santiago do Chile em 1974, durante o qual a Sociedade Latino-Americana de Urologia Pediátrica (SLAUI), afiliado com o CAU foi fundada. Sami foi eleito por aclamação como seu novo presidente, cumprindo dois mandatos. Em 1995, esta empresa também incorporou cirurgiões pediátricos na América Latina e Espanha, e mudou seu nome, tornando-se a Sociedade Ibero-americana de Urologia Pediátrica (SIUP).

Em 1986, depois de um concurso público, Sami tornou-se professor e chefe da Clínica de Urologia do Hospital Universitário, assumindo a responsabilidade por todas as atividades urológicos, incluindo urologia pediátrica e transplante renal. Sua administração foi caracterizada pela modernização do serviço tanto funcional quanto academicamente. Em 1987, um programa de pós-graduação em urologia foi iniciado, o que representa uma melhoria notável na formação de pesquisadores e professores em todos os campos da urologia. No entanto, mesmo depois de se envolver (com sucesso) com urologia adulto e transplante, sua paixão manteve-se em urologia pediátrica, onde ele introduziu novos conceitos no tratamento da hipospádia, bexiga neurogênica e transplante renal em crianças. Ele enfatizou especialmente a importância da endourologia e da laparoscopia, tornando a unidade de urologia pediátrica uma pioneira nessas técnicas. Mais de 200 artigos científicos foram publicados pela Urological Clinic durante sua administração.
Como professor, Sami também colocar uma grande ênfase no comércio internacional, não só através de suas viagens a serviços urologista de renome na América do Norte e na Europa como “professor visitante”, mas também convidando muitos professores nacionais e estrangeiros para visitar a clínica Urológico e participar em congressos urológicos locais. Sua generosa hospitalidade sempre impressionou seus convidados. Ele estimulou e, através de seus contatos, ajudou seus assistentes a obter bolsas de estudo em serviços estrangeiros. Também forneceu um programa de intercâmbio internacional regular para residentes de urologia através de um acordo com a Mayo Clinic em Jacksonville, EUA. UU., Concedendo a cada um um estágio de dois meses naquela instituição a partir de janeiro de 1994.

Após sua aposentadoria compulsória no Hospital Universitário em 2004, Sami era ativo na prática, naturalmente se tornou o líder e porta-voz urologistas um hospital privado reconhecido em São Paulo, onde trabalhou regularmente até a sua morte.

Sami tinha muitas qualidades, e seu sucesso pode ser atribuído ao estudo, perseverança, liderança, amizade, uma personalidade incrível e, claro, uma certa dose de sorte. Ele foi abençoado com uma vida familiar feliz, sendo sobrevivido por Astrid, um filho (que também é um urologista de sucesso), duas filhas e oito netos. Mais importante, como um líder talentoso e inspirador, ele foi capaz de formar um grupo forte de urologistas, incluindo muitos dedicados à urologia pediátrica, que continuarão com seu legado e sentirão sua falta profundamente.

Francisco Tibor Dénes
Presidente SIUP
Amilcar M Giron
Divisão de Urologia da Universidade de São Paulo – Unidade de Urologia Pediátrica

Leave a comment