Pasaje de la Cárcova 3526 ARG
(54 11) 4963-7941

Guías Clínicas

GUÍAS CLÍNICAS / GUIDELINES

As diretrizes de prática clínica passaram por uma grande transformação na última década, devido à busca exaustiva de dados na literatura e sistematização na fase de avaliação dos referidos dados e fórmulas para o estabelecimento de conclusões. Os dois aspectos fundamentais em que as diretrizes clínicas são baseadas atualmente são:

  • A qualidade da evidência.
  • A força das recomendações.

Ambos os critérios respondem a uma classificação de maior a menor validade:

Grau de qualidade científica da recomendação:
  • 1a. Dados científicos de meta-análises de estudos randomizados.
  • 1b. Dados científicos de pelo menos um ensaio randomizado.
  • 2a. Dados científicos de um estudo controlado bem desenhado, sem randomização.
  • 2b. Dados científicos de pelo menos um estudo quasexperimental bem desenhado de outro tipo.
  • 3. Dados científicos de estudos não experimentais bem desenhados, como estudos comparativos, estudos de correlação e casos clínicos.
  • 4. Dados científicos de relatórios ou opiniões de comitês de especialistas ou da experiência clínica de autoridades no campo.

Força da recomendação:

  • A. Baseado em estudos clínicos de boa qualidade e consistência nos quais recomendações específicas são abordadas e incluem pelo menos um ensaio randomizado.
  • B. Baseado em estudos clínicos bem conduzidos, mas sem ensaios clínicos randomizados.
  • C. Emitido apesar da ausência de ensaios clínicos de boa qualidade diretamente aplicáveis.

Pesquisa, classificação e marcar dados publicados localiza nas provas mais fiáveis ​​para cada conceito (por exemplo: o que benefício funcional foi obtido para cada tratamento cirúrgico contra o câncer de próstata), estabelecendo níveis de evidência de qualidade (para cada dado ou grupo de dados) dependendo da consistência das observações (meta-análises e ensaios randomizados são as melhores fontes). Uma vez que se reuniram a melhor prova possível estabelecer recomendações que será mais forte e mais consistente quanto maior a qualidade das provas em que se baseiam (por exemplo: recomendar ou prostatectomia radical em relação a outras modalidades de tratamento para câncer de próstata ).

Um bom guia tem que cumprir uma série de premissas:

  • Válido: fornecendo a melhor evidência disponível.
  • Confiável: que os usuários confiam nele.
  • Reprodutível: pode ser aplicado por diferentes médicos à mesma doença.
  • Flexível: a medicina não é uma ciência exata e, portanto, as recomendações podem contemplar diferentes alternativas.

Quando recomendações são feitas, o grupo que desenvolve um guia deve declarar claramente o benefício resultante de seguir uma determinada recomendação. Com evidências de qualidade, é possível estabelecer recomendações convincentes. As fases de coleta de dados, estabelecimento de evidências (com seu grau de qualidade) e desenvolvimento de recomendações (com seu grau de força) são as mais críticas no processo de desenvolvimento de um guia clínico.

De acordo com os instrumentos CONCORDA (Avaliação de Diretrizes Pesquisa e Avaliação), o estágio de formular recomendações devem beneficiar de uma marca de rigor do desenvolvimento, considerando os seguintes aspectos: metodologia explícita, estabelecendo objetivos clínicos bem definida, a relação entre benefícios e riscos para cada opção com base em critérios de evidência científica. Para o sinal (Scotish Intercollegiate Diretrizes de Rede), uma das instituições mais importantes do mundo dedicada ao desenvolvimento de diretrizes de prática clínica, que tem uma estrutura logística altamente desenvolvida, o desenvolvimento de vários guias produzidos dentro de um esquema aquele que envolve múltiplos agentes (funcionários, engenheiros, publicitários, enfermeiros, epidemiologistas, clínicos). Eles propõem uma categorização sobre a qualidade das evidências e a força da recomendação.

As diretrizes da Associação Européia de Urologia foram traduzidas para o espanhol por iniciativa da Associação Espanhola de Urologia e estão disponíveis gratuitamente para todos os urologistas de língua espanhola.

Acesse os Guias Clínicos dos EAU em espanhol

Os guias da AUA estão disponíveis em inglês no site da AUA e são de livre acesso para todos os urologistas do mundo.

Acesse os Guias Clínicos da AUA